Star Wars – Os Últimos Jedi é o melhor Star Wars deste O Império Contra-Ataca, ou até mesmo o melhor filme da franquia… Com certeza, essas são afirmações que serão facilmente encontradas nas análises afora. Em primeiro lugar, só o tempo dirá em que posição o Episódio VIII estará no ranking da saga, em segundo, muitos fãs poderão preferir O Despertar da Força por ser um filme mais seguro, nostálgico e agradável, além de ser familiar, já que repetiu praticamente a estrutura do clássico Uma Nova Esperança. Os Últimos Jedi vai na contramão, desconstruindo o próprio universo estabelecido. Apesar de ter similaridades com outros episódios, até com O Retorno de Jedi, este novo capítulo é ousado, brinca com as expectativas do público e está mais interessado no que pode propor do que na vontade dos fãs. Uma porrada vinda de uma galáxia muito, muito distante.

 

 

Escrito e dirigido pelo novo amor da Disney, Rian Johnson (não é a toa que a produtora Kathleen Kennedy lhe entregou uma trilogia inédita para desenvolver, algo mais do que merecido), Os Últimos Jedi dá continuidade aos eventos do Episódio VII, com a Resistência fugindo da Primeira Ordem e Rey (Daisy Ridley) tendo que lidar com um Luke Skywalker (Mark Hamill) totalmente descrente consigo mesmo e a força.

 

O primeiro maior feito da história é conseguir arrumar espaço para tantos personagens, que mesmo com duas horas e meia de pura emoção e cenas épicas, ainda fica aquela sensação de que tal personagem poderia ter aparecido mais. Finn (John Boyega) tem uma divertida “side quest” com a novata Rose (Kelly Marie Tran); Poe Dameron (Oscar Isaac) aprende aos trancos e barrancos o significado de ser líder; General Hux (Domhnall Gleeson) é oficialmente o saco de pancadas da galáxia; e, por fim, Leia Organa (Carrie Fisher) mostra mais uma vez porque é um dos símbolos de Star Wars. Fica óbvio que o Episódio IX seria dedicado à ela. Felizmente, as homenagens à atriz foram devidamente feitas em cenas singelas, porém emocionantes. Que a força esteja sempre com a nossa princesa.

 

 

Sim, outros novos personagens também se destacam, como o mercenário DJ (Benicio Del Toro), aprofundando uma perspectiva realista da guerra vista em Rogue One, e a Vice-Almirante Holdo (Laura Dern), que é responsável por uma cena de cair o queixo. Nas duas vezes que fui ao cinema (até agora), o público ficou em silêncio absoluto. No entanto, não há como negar que os donos do filme são Rey, Luke e Kylo Ren (Adam Driver) e, de certo modo, o Líder Supremo Snoke (Andy Serkis). Luke ganha uma trama que ressalta a sua grandeza e poder, muito disso pela excelente atuação de Hamill. Na outra via, Rey e Kylo, ou Ben Solo para os mais íntimos, trazem arcos dramáticos memoráveis. A diferença é que o de Kylo parece ter chegado ao seu limite, enquanto o de Rey é apenas um preparo para um desfecho maior.

 

Na parte técnica, o filme é impecável. Em termos de design, a sequência do Casino respira originalidade em todos os detalhes. A direção de Johnson, unido com a fotografia de Steve Yedlin que remete aos épicos clássicos como Ben-Hur, resulta em uma coleção de planos, quero dizer, obras de arte admiráveis. Principalmente no clímax, em que cada frame era motivo de um poético “Caralho! Que foda”. Juntando isso, mais a competente trilha sonora de John Williams e a inovadora edição de Bob Ducsay – repare como ele intercala várias imagens em determinado momento -, as cenas de ação são de tirar o fôlego. Honrando o título de Guerra nas Estrelas. A luta de lightsabers, em um certo cenário dominado pelo vermelho, já pode ser considerada um dos melhores momentos de toda franquia.

 

 

Rian Johnson entrega uma aventura madura, emocional e corajosa – não se preocupe, o humor está na medida certa – através de Star Wars – Os Últimos Jedi. Um filme que investe no conflito de gerações, mostrando que é nunca demais escutar os mais velh… experientes, pois eles sabem que o fracasso é o melhor professor de todos. E pelo visto, a saga aprendeu muito bem com os erros do passado, criando possibilidades inimagináveis para o futuro.

 

 

Trailer: