Na correria do cotidiano, não dei muita bola quando assisti os primeiros clipes do novo álbum da Arcade Fire, Everything Now.

 

Depois de um tempo ignorando o disco, resolvi dar uma segunda chance e, mais uma vez, aprendi que certas bandas precisam de calma para serem apreciadas.

 

Em relação ao som, o álbum é cheio de nuances e melodias hipnóticas que entregam uma vibe psicodélica única, sem soar arrogante ou com vergonha de ser pop. O trabalho consegue ser ao mesmo tempo “alegre” com sua faixa-título e sombrio como em Creature Comfort, o que não varia é a crítica aos males da sociedade contemporânea presente nas letras.

 

O sintetizador dá a palavra de ordem por aqui. Instrumento extremamente usado na época da dance music, quando está em boas mãos, resulta em maravilhas como Electric BluePut Your Money On Me. Pode ter certeza que, em Everything Now, vale por cada centavo.

 

Tracklist:

 

01. Everything_Now (continued)
02. Everything Now
03. Signs Of Life
04. Creature Comfort
05. Peter Pan
06. Chemistry
07. Infinite Content
08. Infinite_Content
09. Electric Blue
10. Good God Damn
11. Put Your Money On Me
12. We Don’t Deserve Love
13. Everything Now (continued)

 

 


Na resenha de Honeymoon deixei uma ponta de esperança na vontade de ver Lana Del Rey saltar em outros tipos de sons, um pouco mais pra cima. Uma mudança que poderia mostrar uma diversidade da cantora ao mesmo tempo que a tiraria de uma possível mesmice.

 

Sim, o indie pop dela é único e poético, e continua forte em Lust For Life. Músicas como Love e a faixa-título (contando com a participação de The Weeknd) são provas de que o talento supera qualquer zona de conforto. No entanto, o trabalho em si, musicalmente, não traz muitas novidades, restando apenas curtir as letras sentimentais e a bela voz de Del Rey.

 

A inserção de elementos eletrônicos está mais presente, com pitadas de hip hopSummer Bummer e Groupie Love -, mas que nem chegam perto da complexidade sonora de seu antecessor. Mesmo assim, Lana Del Rey ainda coloca no bolso muitos popstars da atualidade. Afinal, não é todo mundo que entoa palavrões com tanta delicadeza sarcástica como a musa.

 

Tracklist:

 

01. Love
02. Lust For Life [feat. The Weeknd]
03. 13 Beaches
04. Cherry
05. White Mustang
06. Summer Bummer [feat. A$AP Rocky and Playboi Carti]
07. Groupie Love [feat. A$AP Rocky]
08. In My Feelings
09. Coachella – Woodstock In My Mind
10. God Bless America – And All the Beautiful Women in It
11. When The World Was At War We Kept Dancing
12. Beautiful People Beautiful Problems [feat. Stevie Nicks]
13. Tomorrow Never Came [feat. Sean Ono Lennon]
14. Heroin
15. Change
16. Get Free

 

 


Queens Of The Stone Age retorna, após quatros anos deste seu último álbum, com o seguro e direto Villains.

 

Seguro porque a banda não sai muito do som característico: pluga as guitarras para tocar riffs secos contagiantes, enquanto dão o ritmo para letras provocativas. É o bom rock clássico com uma pegada de alternativo.

 

O trabalho encontra seu melhor momento nas agitadas The Way You Used to Do e Head Like a Haunted House, e em várias partes que os integrantes entram em uma jam – o que prolonga mais do que deveria algumas faixas -, mostrando o quanto foi divertido grava-lo. Só derrapa mesmo em canções “tranquilas” como Hideaway, o que definitivamente não é a praia da banda.

 

Uma praia que continua embalando as noites quentes dos mal-intencionados.

 

Tracklist:

 

1. Feet Don’t Fail Me
2. The Way You Used To Do
3. Domesticated Animals
4. Fortress
5. Head Like a Haunted House
6. Un-Reborn Again
7. Hideaway
8. The Evil Has Landed
9. Villains Of Circumstance