É inegável a força de Katy Perry na música pop, conquistada através de seus poderosos hits e um visual colorido e vintage que atrai os jovens, além de um sex appeal que deixa muitos marmanjões babando.

 

Eis que a cantora chega ao quinto trabalho de estúdio, Witness. Não aposto nenhum centavo contra o sucesso do álbum, pois se tem algo que Perry sabe é grudar na cabeça do ouvinte. Sim, é muito comum emplacar um artista novo no mundo pop com um grande sucesso, tamanho o número de produtores competentes estarem envolvidos no meio. Só dar uma olhada na ficha técnica de Witness, mais de 10 produtores, entre eles, o macaco velho Max Martin.

 

Mas nem toda a ajuda na produção salva um artista sem talento. Embora Perry o tenha, a moça fica devendo um pouco em um álbum que soa mais como uma justificativa para o lançamento dos singles, do que um trabalho inspirado do começo ao fim.

 

As quatro primeiras músicas deixam qualquer expectativa altíssima, a faixa-título e Swish Swish (aquela do vídeo com a Gretchen) destacam-se, mas depois o trabalho entra em um marasmo que só desaparece quando a balada Miss You More e as dançantes Chained To The Rhythm e Bon Appétit aparecem. Sem dúvidas, Witness é mais interessante nas rádios.

 

Tracklist:

 

01. Witness
02. Hey Hey Hey
03. Roulette
04. Swish Swish (feat. Nicki Minaj)
05. Déjà Vu
06. Power
07. Mind Maze
08. Miss You More
09. Chained To The Rhythm (feat. Skip Marley)
10. Tsunami
11. Bon Appétit (feat. Migos)
12. Bigger Than Me

 

 


O emo não foi um dos capítulos mais orgulhosos da história do rock, com uma enxurrada de músicas que usavam uma melancolia superficial, no intuito de arrancar dinheiro, em sua maioria, dos adolescentes descontentes com as suas boas vidas. A fragilidade do estilo o destruiu com o tempo, sendo assim, várias bandas que surgiram nessa época tiveram que mudar. Uma delas foi a Paramore.

 

Quem esperar guitarras “pesadas” e muita “agressividade” no vocal em After Laughter, quinto álbum de estúdio, vai esperar sentado. Sabiamente, a banda reformulou não só o som, mas todo o visual, adotando uma maior variedade de cores e sons. Paramore enfim expurga qualquer vestígio de seu passado, e entra de vez na new wave.

 

A sensação é que a banda liderada pela graciosa Hayley Williams (e que tem a volta do baterista Zac Farro) saiu dos anos 1970. Os singles Hard Times e Told You So são ótimas para ouvir enquanto dirige um Maverick. Essa mudança caiu como uma luva para a banda, trazendo melodias agradáveis que poderiam encerrar qualquer filme da Sessão da Tarde.

 

Enfim, Paramore volta aos tempos da brilhantina para trilhar um futuro promissor.

 

Tracklist:

 

01. Hard Times
02. Rose-Colored Boy
03. Told You So
04. Forgiveness
05. Fake Happy
06. 26
07. Pool
08. Grudges
09. Caught In The Middle
10. Idle Worship
11. No Friend
12. Tell Me How