Nickelback é uma das bandas mais regulares do séc. 21. Atenta de seus limites e sem vergonha do ótimo pop rock que toca, a banda é dona de hits que marcaram uma geração. Depois de 22 anos de estrada, os canadenses chegam ao seu nono álbum de estúdio: Feed The Machine. Um retorno ao hard rock moderno presente no auge do quarteto, que resultou os excelentes All The Right ReasonsDark Horse. Uma porrada sonora bem-vinda após o comercial No Fixed Address.

 


 

Feed The Machine é um trabalho consistente, com uma identidade forte. Os efeitos eletrônicos nunca se sobressaem as músicas, sendo apenas uma capricho conceitual. São mesmo as guitarras pesadas que dão o norte das 11 faixas. A faixa-título já chega na estupidez refletindo sobre uma sociedade alienada pelo sistema em que ela mesma alimenta. Uma temática social que sempre acompanhou a banda, e agora está com força total. A sarcástica Must Be Nice e a porradeira The Betrayal (Act III) completam o time. Betrayal ainda resulta em outra faixa, The Betrayal (Act I), uma faixa acústica interessante, quase latina.

 

Essas três músicas já são o bastante para elogiar o desempenho do baixista Mike Kroeger e o baterista Daniel Adair. A dupla reaparece após álbuns anteriores que não os exigiam muito. No entanto, Nickelback sabe agradar também quem gosta de baladas, e como esses caras acertam em cheio. Song On Fire é viciante ao extremo, fazendo dobradinha com Every Time We’re Together. As duas únicas músicas mais “leves”.

 

 

Agora se você curte um som mais farofeiro, festeiro, a continuação de Burn It To The Ground, Coin For The Ferryman é a escolha perfeita para estourar o som de casa. For The River não fica muito atrás. Ryan Peake investe novamente nos solos, embora assemelhem-se bastante, fazem bem o seu papel. Para completar, After The Rain e Home, músicas que ao mesmo tempo dão um descanso na agressividade, mantem a empolgação lá encima até chegar na memorável Silent Majority. O refrão dessa faixa é épico demais.

 

O grupo liderado por Chad Kroeger volta a chutar bundas em Feed The Machine. Mesmo com o título de “banda mais odiada do mundo”, Nickelback continua alimentando os fãs com rock de qualidade. E, no meu caso, estou de barriga cheia pronto para repetir o prato.

 

Tracklist:

 

01. Feed The Machine
02. Coin For The Ferryman
03. Song On Fire
04. Must Be Nice
05. After The Rain
06. For The River
07. Home
08. The Betrayal (Act III)
09. Silent Majority
10. Every Time We’re Together
11. The Betrayal (Act I)

 

 

Clipe: