joanneEm 2008, Lady Gaga explodiu para o mundo com o sucesso de The Fame, álbum que conta com os sucessos Poker Face e Paparazzi. Embora a cantora mostrasse talento para o pop, a sua imagem exótica sempre sobressaiu à música. O que trouxe muitas discussões sobre ela ser apenas mais um produto da indústria ou não.

 

Contudo, ao decorrer de oito anos, Gaga resolveu dedicar-se mais ao conteúdo do que a embalagem. Entre atuações no cinema e TV, lançou um álbum de jazz chamado Cheek To Cheek, com o lendário Tony Bennett, provando aos críticos que não era apenas resultado de auto-tune.

 

Neste ano, Joanne, o quinto trabalho de estúdio, é a prova da cantora talentosa que estava escondida embaixo da figura excêntrica. Sem muitas firulas, a voz de Gaga está nítida e cheio de força, como já fica evidente na faixa de abertura Diamond Heart. Unindo o pop grudento com um country de raiz, o álbum é viciante do começo ao fim. Para quem gosta dos hits dançantes ficará feliz com A-Yo e Perfect Illusion, enquanto o country é bem representado nas lindas baladas Million Reasons (essa arrepia até a alma) e a faixa-título. A disco dance Hey Girl traz uma bela participação de Florence Welch, uma química perfeita de vozes.

 

Definitivamente Lady Gaga está no seu auge, e Joanne deixa comendo poeira qualquer dúvida sobre a qualidade do trabalho dela.

 

Tracklist:

 

01. Diamond Heart
02. A-Yo
03. Joanne
04. John Wayne
05. Dancin’ In Circles
06. Perfect Illusion
07. Million Reasons
08. Sinner’s Prayer
09. Come To Mama
10. Hey Girl (feat. Florence Welch)
11. Angel Down

 

05-foda

 


breaksRetornando aos primórdios, Norah Jones dá o ar da graça este ano com Day Breaks, um álbum impecavelmente produzido e que traz um jazz vivíssimo em cada nota de piano.

 

Com nove faixas inéditas e mais três covers, entre eles Don’t Be Denied de Neil Young, o novo trabalho de Jones é uma agradável audição, para ouvir com calma e relaxar, enquanto assiste a chuva caindo pela janela e saboreia seu café fresco.

 

Produzido e composto pela cantora, ao lado de Sarah Oda, Day Breaks tem na essência o jazz, com o som cristalino do piano apoiado por uma gama de músicos que, juntos, entregam uma experiência cheia de detalhes. Mas sem deixar de lado a pegada pop da artista, que deve embalar músicas como TragedyFlipside nas rádios afora. Lideradas pela singela Carry On, um excelente cartão de visitas deste, uma pausa para eu terminar meu café, mais um ótimo lançamento da cantora.

 

Tracklist:

 

01. Burn
02. Tragedy
03. Flipside
04. It’s A Wonderful Time For Love
05. And Then There Was You
06. Don’t Be Denied
07. Day Breaks
08. Peace
09. Once I Had A Laugh
10. Sleeping Wild
11. Carry On
12. Fleurette Africaine (African Flower)

 

04-otimo

 


darkerBlackstar de David Bowie foi muito mais do que um álbum excelente, foi uma despedida atemporal do artista, que já estava com os braços abertos para a morte. Aos 82 anos, Leonard Cohen, conhecido popularmente pelo clássico Hallelujah, não deixou por menos. You Want It Dark é praticamente um audiolivro em que ele declara, com uma emoção incomparável na voz, um relato de si mesmo, de uma forma honestamente sombria.

 

A faixa-título já deixa claro (desculpa o trocadilho) o tom soturno e realista das letras e do som que busca no blues e na música gospel norte-americana as suas bases.

 

A atmosfera é tão pesada, que a última faixa String Reprise/ Treaty seria ótima para o encerramento em grande estilo de um velório. Porém até chegar nessa despedida melancólica , o álbum apresenta outras belas composições (toda escritas por Cohen) como as inspiradas Traveling LightTreaty. Músicas de um trabalho que pode não fazer muito sentido agora, mas quando a morte estiver batendo na porta, será um amigo perfeito para conversar.

 

Tracklist:

 

01. You Want It Darker
02. Treaty
03. On the Level
04. Leaving The Table
05. If I Didn’t Have Your Love
06. Traveling Light
07. It Seemed The Better Way
08. Steer Your Way
09. String Reprise/ Treaty

 

04-otimo