O terceiro título de séries baseadas em personagens da Marvel chegou ao serviço de streaming Netflix: Luke Cage. Diferente, em muitos aspectos, de Jessica Jones e das duas temporadas de Demolidor, o homem à prova de balas sofreu algumas significativas alterações quando transportado do material original para as telas, mas a essência foi preservada.

 

 

Interpretado por Mike Colter, o “herói de aluguel” é apresentado após acontecimentos de Jessica Jones, trabalhando no Harlem, numa barbearia, e tentando viver sua vida longe de problemas. Mas os problemas parecem perseguir o personagem. Luke é obrigado a agir quando entra em conflito com o mafioso, e dono de uma casa noturna na qual também trabalha, Cornell “Boca de Algodão” Stokes, interpretado por Mahershala Ali, e sua prima, a vereadora corrupta Mariah Dillard, vivida por Alfre Woodard. Os dois antagonistas trabalham juntos, a base de troca de favores, para alcançarem seus objetivos no bairro negro; Cornell deseja mais dinheiro, enquanto Mariah busca sua ascensão política construindo um conjunto habitacional com a grana vinda de seu primo nos negócios ilegais.

 

Boca de Algodão, apesar de perder seu visual clássico dos quadrinhos, com dentes salientes e pontiagudos, mais próximo da serpente em qual foi inspirado, é vivido com todas as características da personalidade do vilão. O mesmo acontece com Mariah, que perde o corpo robusto, mas mantém a natureza da personagem. Luke Cage talvez seja quem mais perca nessa adaptação: ele não salva o dia por dinheiro e parte de sua malandragem das ruas é apagada pelos conflitos internos, o que o torna um cara sisudo quase em tempo integral. As situações envolvendo os três personagens ajudam a definir e apresentar todas as camadas que os compõe.

 

 

Outros personagens também perdem sua identidade visual, como Shades (Theo Rossi), Misty Knight (Simone Missick) e Diamondback (Erick LaRay Harvey). Todos adaptam-se ao tom realista da série, deixando de lado as ideias fantasiosas da década de 1970. O estilo blaxploitation, movimento cinematográfico que permitiu a inserção de personagens negros em Hollywood e que influenciou na criação do personagem, também é substituído, não abrindo espaço para figuras caricatas ou que reproduzam esteriótipos.

 

A história apresentada aqui é delineada por uma trilha sonora que se torna quase um personagem a parte, evocando a cultura do bairro negro em suas manifestações mais emblemáticas. A soul music, o funk, o rap e o hip-hop encontram espaço para determinar a tensão, a ação, o romance e as relações de poder, tudo muito bem disposto ao longo de 13 episódios. Outro ponto forte da série é a mise-en-scène, trabalhando enquadramentos que definem personagens e suas posições dentro da trama, muitas vezes entregando um subtexto com recursos visuais, que auxiliam nas representações simbólicas.

 

 

Mesmo tentando um novo caminho, assumindo riscos que rendem bons frutos, Luke Cage comete alguns erros parecidos com Jessica Jones. A ação é pouco empolgante no início, mesmo melhorando substancialmente no decorrer dos episódios, não faz mais do que apoiar-se em Cage arremessando capangas pelas paredes e destruindo mesas e cadeiras. Alguns dos episódios parecem arrastados e cansativos, até mesmo aquele que apresenta a origem de seus poderes, se torna maçante. A impressão que fica é a de que a série poderia ser melhor construída com um número menor de episódios, evitando alguns obstáculos desnecessários e focando na trama principal.

 

Existem referências e homenagens aos quadrinhos que vão do sutil ao escancarado, tudo apresentado com alguma função para o desenvolvimento da série. O homem negro à prova de balas levanta em alguns momentos as questões da tensão racial nos Estados Unidos, refletindo o período conturbado, mas não se prende às questões sociais.

 

 

Apesar de tropeçar em alguns momentos, Luke Cage se estabelece como uma boa série, revitalizando o gênero com novas abordagens e uma roupagem própria. O personagem, que pode brilhar em sua própria série este ano, será visto novamente em 2017, quando unir forças com Punho de Ferro, Jessica Jones e Demolidor em Defensores.

 

03-bom

 

Trailer: