jwaJack White, após o sucesso de vendas e críticas do excelente Lazaretto, retorna ao estúdio em mais um projeto solo, o intimista Jack White Acoustic Recordings 1998-2016.

 

Neste álbum, White revisita vários clássicos da carreira, principalmente da banda The White Stripes, com versões acústicas de 26 músicas, passando entre o melhor do folk e blues. Além de algumas canções que não tinham sido lançadas. Esse é o caso da bela City Lights, que ganhou até um clipe poético dirigido por Michel Gondry, amigo e colaborador habitual de Jack.

 

O trabalho é dividido em quatro partes, com uma produção que soa caseira e acolhedora, trazendo o ouvinte próximo do músico. A sensação é a de estar no estúdio, enquanto se diverte com os amigos em Well It’s True That We Love One Another. É claro que em um álbum com tantas faixas, algumas são ofuscadas por outras, mas a experiência completa é mais do que recompensadora. Carolina Drama que o diga, um dos diversos pontos altos desta jornada sonora, uma viagem pelas cordas do violão de White.

 

Tracklist:

 

Lado A

 

01. Sugar Never Tasted So Good
02. Apple Blossom (Remixed)
03. I’m Bound To Pack It Up (Remixed)
04. Hotel Yorba
05. We’re Going To Be Friends
06. You’ve Got Her In Your Pocket
07. Well It’s True That We Love One Another
08. Never Far Away

 

Lado B

 

09. Forever For Her (Is Over For Me)
10. White Moon
11. As Ugly As I Seem
12. City Lights (Previously Unreleased White Stripes Track)
13. Honey, We Can’t Afford To Look This Cheap
14. Effect & Cause

 

Lado C

 

15. Love Is The Truth (Acoustic Mix)
16. Top Yourself (Bluegrass Version)
17. Carolina Drama (Acoustic Mix)
18. Love Interruption
19. On And On And On
20. Machine Gun Silhouette (Acoustic Mix)

 

Lado D

 

21. Blunderbuss
22. Hip (Eponymous) Poor Boy (Alternate Mix)
23. I Guess I Should Go To Sleep (Alternate Mix)
24. Just One Drink (Acoustic Mix)
25. Entitlement
26. Want And Able

 

04-otimo

 


lsbeLindsey Stirling e seu violino estão de volta em Brave Enough, continuando a união de seu instrumento com a música eletrônica, conferido em Shatter Me

 

Stirling não decepciona quando se trata de seu talento. As melodias frenéticas e viciantes podem ser conferidas em The ArenaThe Phoenix, nunca permitindo que as batidas eletrônicas se sobressaem ao instrumento. Contudo, quando se trata das músicas com vocalistas, poucas destacam-se. Embora ainda tragam melodias inspiradas, como na faixa-título e Where Do We Go, as faixas não diferem-se muito de qualquer outro hit pop.

 

Porém não posso deixar de admitir que a parceria com ZZ Ward e Raja Kumari, nas Hold My Heart e Mirage respectivamente, contribuem positivamente no trabalho da violinista. A segunda transmite toda a energia dançante presente na música indiana. Uma escapada da zona de conforto que eu queria ter visto mais neste álbum.

 

Tracklist:

 

01. Lost Girls
02. Brave Enough (feat. Christina Perri)
03. The Arena
04. The Phoenix
05. Where Do We Go (feat. Carah Faye)
06. Those Days (feat. Dan + Shay)
07. Prism
08. Hold My Heart (feat. ZZ Ward)
09. Mirage (feat. Raja Kumari)
10. Don’t Let This Feeling Fade (feat. Rivers Cuomo & Lecrae)
11. First Light
12. Love’s Just a Feeling (feat. Rooty)
13. Something Wild (feat. Andrew McMahon In the Wilderness)
14. Gavi’s Song

 

03-bom

 


airbourneNão sei se estou ficando velho ou mais chato mesmo (ou as duas coisas), mas não tenho mais paciência com a mesmice de certas bandas.

 

A banda australiana Airbourne chega ao seu quarto álbum Breakin’ Outta Hell com o mesmo som dos anteriores (atingindo o auge em Black Dog Barking). Sim, AC/DC e Motorhead (bandas que Airbourne se assemelha) já provaram que é possível lançar álbuns excelentes jogando no time que está vencendo, mas em contrapartida, outros acabam prejudicados pela pouca inspiração que a falta de ousadia traz (lembra de Rock Or Bust?).

 

Esse é o caso deste novo álbum, que traz a banda cheia de energia e dedicada ao rock pesado que amam, porém isso não basta quando a maioria das músicas seguem o mesmo padrão “letra genérica com refrão de uma frase só acompanhada de coro”. Logo, após ouvir a faixa-título e Rivalry, tudo a seguir é uma cópia da outra, com exceção da última It’s All for Rock N’ Roll que, mesmo sutil, traz algo mais elaborado.

 

Enfim, parece que Airbourne não é tudo o que eu imaginava ser.

 

Tracklist:

 

01. Breakin’ Outta Hell
02. Rivalry
03. Get Back Up
04. It’s Never Too Loud for Me
05. Thin the Blood
06. I’m Going to Hell for This
07. Down on You
08. Never Been Rocked Like This
09. When I Drink I Go Crazy
10. Do Me Like You Do Yourself
11. It’s All for Rock N’ Roll

 

02-regular