JVAdotando a mesma estratégia comercial que começou com Harry Potter e as Relíquias da Morte para prolongar um rendimento financeiro, Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1 também – idem a franquia do bruxo – não tem medo de aprofundar-se em temas socio-políticos e desenvolver personagens complexos em vez de fazer mais um blockbuster sem conteúdo e que aposta na ação frenética cheia de efeitos visuais para obter um rápido sucesso, mas que daqui um tempo será facilmente esquecido. Jogos Vorazes: Em Chamas amadureceu a ideia de fazer deste blockbuster infanto-juvenil um filme para refletir sobre uma sociedade cada vez mais fascinada e alienada por falsas informações na mídia. Neste novo capítulo, que continua com o diretor Francis Lawrence e é adaptado por Peter Craig e Danny Strong, traz um outro teor para franquia. Todo o visual colorido e a correria dos primeiros filmes perde seu espaço para conhecermos um  mundo violento dominado pela guerra. HG4 Logo nos primeiros minutos quando vemos Katniss Everdeen (Jennifer Lawrence) à beira da loucura, pois está perturbada pelos últimos acontecimentos, o título do filme surge sem nenhum alarde como se um momento de luto estivesse sendo respeitado. Com este início tenso e triste percebe-se que este filme não é sobre quem a heroína irá ficar no final, é um filme que retrata a sociedade contemporânea. O tema sobre pessoas que dominam a maior parte de uma riqueza, enquanto a maioria vive em plena miséria não deveria ser novidade para ninguém. Nesta primeira parte, a revolução contra a Capital está crescendo. Liderada pela forte President Alma Coin (Julianne Moore) que recebe a assessoria do inteligente  Plutarch Heavensbee (Philip Seymour Hoffman), os rebeldes tentam convencer Katniss a ser o símbolo desta revolução, assim tendo maiores chances de recrutar pessoas para a causa. HG3 É neste momento que o ponto forte da história aparece. A manipulação da mídia e como ela é usada por segundos interesses já é bem mostrada nos outros filmes, principalmente na crítica dos reality shows. Agora o que entra em cena é a propaganda de guerra onde Katniss é transformada na garota propaganda da revolução, enquanto Peeta (Josh Hutcherson) faz o contraponto a favor do governo. Então tudo que a heroína faz ou fala é gravado com a intenção de criar um belo discurso, um grito de guerra e até num hino para motivar os rebeldes, não importando se um hospital cheio de inocentes acabou de ser explodido.   Não pude deixar de lembrar, quando vi Katniss sendo filmada a cada instante, das pessoas que vivem em função da aparência. Parece que tudo na vida resume-se em uma foto ou vídeo para ser postado na rede social, depois esperar ansiosamente por um determinado resultado. A vida é transformada em uma grande propaganda. Com esta visão, o filme torna-se mais impactante e próximo desta triste realidade que é muito forte politicamente, mas está ganhando força também na sociedade.  HG5 Outro ponto importante é a mulher independente como protagonista. Até a Disney já entendeu (com o seu belíssimo Frozen) que a mulher não precisa de príncipe encantado para viver e conseguir seus objetivos. Katniss é uma protagonista com P maiúsculo, independente, corajosa, e apesar de todos os medos e dúvidas (como qualquer um), ela tem determinação em continuar lutando. Tudo isso deve-se ao grande trabalho da atriz Jennifer Lawrence por dar vida a essa memorável e importante personagem do cinema.   A Esperança também é um legitimo filme de guerra. Nas cenas de ação, o diretor Lawrence não decepciona com sua câmera trêmula e ainda consegue singelos momentos quando a história precisa de um fôlego. E como não poderia deixar de elogiar, a fotografia cinza e sombria de Jo Willems é essencial para esta bela virada visual na franquia. Quando você termina o filme fica difícil não sentir-se sujo.  HG2 Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1 é o auge da franquia que só tende a manter o alto nível no último capítulo e fechar com chave de ouro. Um estudo de personagem e de uma sociedade midiática que deve incomodar bastante gente que preferia saber apenas do romance – que aqui é praticamente nulo – do que encarar a realidade que está acontecendo ao nosso redor. Contudo, quando assisto um filme hollywoodiano que preocupa-se com estas questões, minha esperança em um mundo mais conscientizado só aumenta.   Trailer: Clipe de Lorde: The Hunger Games: Mockingjay – Part 1
Suzanne Collins
EUA , 2014 – 123
Aventura / Fantasia / Ficção científica Direção:
Francis Lawrence Roteiro:
Suzanne Collins, Danny Strong, Peter Craig Elenco:
Jennifer Lawrence, Josh Hutcherson, Liam Hemsworth, Woody Harrelson, Donald Sutherland, Philip Seymour Hoffman, Julianne Moore, Willow Shields, Sam Claflin, Elizabeth Banks, Jena Malone, Stanley Tucci, Natalie Dormer, Elden Henson Foda photo Foda.png