Community Community não conseguiu chegar a seis temporadas e um filme, pelo menos não na NBC. A emissora decidiu cancelar a série na quinta temporada, sem deixar que o programa e os fãs tivessem uma despedida digna. É inacreditável que há tanta porcaria na TV norte-americana que vive ganhando renovações, enquanto quando surge algo inovador, criativo e único, a audiência continua pesando bastante nas decisões. Entretanto, olhando por um lado mais otimista, a série até que chegou longe. Ela tinha sido ameaçada de cancelamento já na metade da terceira temporada, além de alguns conflitos nos bastidores. O que me resta agora é ter esperança que a Sony continue a série em outra emissora, e dê a oportunidade ao criador, Dan Harmon, de nos presentear com mais uma temporada espetacular. E se não acontecer, é porque a humanidade realmente foi extinta por um meteoro. Community4O plot da série é sobre um grupo de estudos, formado por pessoas de grande variedade étnica (a própria série brinca com isso) e que se encontram desajustados na sociedade. Jeff Winger (Joel McHale), um ex-advogado que teve sua licença cassada, finge estar interessado nos estudos para “pegar” Britta Perry (Gillian Jacobs), uma idealista que sonha em fazer algo significante contra os absurdos da sociedade, e a convida para fazer parte de seu falso grupo de estudos.  Contudo, o que Jeff não esperava, é que de um plano de conquista, formasse um grupo de estudos que, além dos dois, conta com o nerd Abed Nadir (Danny Pudi), o esportista Troy Barnes (Donald Glover), a dona de casa Shirley Bennett (Yvette Nicole Brown), o veterano milionário Pierce Hawthorne (Chevy Chase) e, a sempre linda, ex-viciada Annie Edison (Alison Brie). E com este time, durante cinco anos, saíram as mais absurdas e geniais histórias na faculdade comunitária de Greendale. Community3A sitcom logo ganhou status de cult, mesmo não tendo um número significante na audiência, conquistou fãs fiéis e que a idolatram (como eu). O motivo do fracasso comercial se deve da série ser para um público específico. Pode parecer arrogância escrever isso, mas é a verdade. A maioria das histórias exigem um repertório básico do público em relação a cultura pop, pois elas são cheias de referências, que para quem está por fora do assunto tratado, não entenderá muitas piadas.  Não é qualquer série que brinca com o próprio gênero como Community. Em vários momentos, Harmon faz piadas sobre o andamento da série, como quando Abed (seu alter ego) faz um comentário sobre a falta de química de Jeff e Britta ou quando Abed (sempre ele) quebra, várias vezes, a quarta parede. As paródias também são um prato cheio, assim temos episódios baseados em filmes (Star Wars, Seven, O Poderoso Chefão, A Noite dos Mortos Vivos), em outras séries (NCIS, Glee), documentários (mostrando os bastidores de uma gravação), entre os variados gêneros que fará qualquer nerd pirar. Confira um vídeo abaixo que mostra praticamente todas as referências de cinema e TV que Community já fez (a senha é "movietime”): Os roteiros são brilhantes, isso é fato. É claro que tem um menos inspirado depois de três excelentes (a quarta temporada, a única com ausência de Dan Harmon, é decepcionante), mas até os mais “normais” podem ser considerados melhores do que muita sitcom de sucesso por aí. Harmon, e a equipe de roteiristas, sabem construir nos mínimos detalhes as piadas, que podem até passar despercebidas. Como a palavra Beetlejuice, do filme Os Fantasmas Se Divertem, que é dita três vezes durante três temporadas, sem nenhum alarde, e quando é dita pela terceira vez… adivinha? Beetlejuice surge! Outro exemplo, é o episódio que Abed fica a maior parte do tempo desaparecido, porém no fundo da história principal, acontece uma segunda história em que ele está envolvido. Mostrando que há vida no mundo dos figurantes. A história que envolve realidades paralelas é uma das pérolas preciosas que você irá encontrar neste tesouro. Sem falar dos episódios especiais que fogem do universo live-action. O grupo de estudantes é transformado em personagens de 8 bits, massinha, fantoches e animação dos anos 80. Interessante que quanto mais assistir a série, mas detalhes encontrará, a tornando atemporal. Community2Contudo, não adianta um excelente roteiro se não nos importarmos com os personagens, e isso faz com que a série não seja apenas sobre referências à cultura pop. Os seis de Greendale, além de serem carismáticos, não são perfeitos, são humanos. Todos tem uma personalidade única que acaba se desenvolvendo conforme os anos, e o grupo vai se unindo cada vez mais. Harmon não tem dó de ridiculizar os personagens, os colocando em situações que possam mostrar os piores defeitos e, deste modo, aprender com eles. Impressionante como eles podem te surpreender quando acha que os conhece bem. Durante as aventuras (épicas ou não) vamos curtindo a forte amizade de Troy e Abed, o romance platônico de Jeff e Annie, as brigas de Britta e Shirley, e Pierce… bom, o Pierce é a amada ovelha negra de um grupo de ovelhas negras. Fora o núcleo principal, o elenco secundário não fica por menos. Temos o professor Ian Duncan (John Oliver), o psicopata Ben Chang (Ken Jeong) e o memorável Reitor Pelton, com o ator Jim Rash roubando a cena em todas aparições. E para quem gosta de participações especiais, Community é recheada delas, tendo até participação de Vince Gilligan (criador de Breaking Bad). Como vocês podem ver no próximo vídeo, há muitas questões para serem resolvidas, por isso é tão essencial uma sexta temporada e, assim, cumpriria o lema “sixseasonsandamovie” (e ainda estarei esperando se você ler este texto daqui 10 anos). Bom, se eu fosse escrever tudo que vi durante os cincos anos para te convencer a assistir Community, pode ter certeza que ficaria escrevendo aqui para sempre. Então recomendo que você não perca mais tempo e faça já sua matrícula em Greendale. Faça parte desta comunidade.