Space É impressionante que ainda se encontra fãs amargurados com a mudança de som da banda que, no início, recorria a velocidade do power metal para, já faz um bom tempo, focar nos riffs cadenciados e refrãos grudentos do hard rock. O vocalista Tobias Sammet (Avantasia) não cansa de provocar os haters em entrevistas e afirma, para quem quiser ouvir, que a banda não se prende a rótulos, e como músico, deve pensar assim mesmo. No final das contas, o que importa é entregar um trabalho de qualidade, e Edguy continua não devendo nada a ninguém. Space2O novo álbum dos alemães recebeu o nome de duas faixas: Space Police e Defenders Of The Crown. A primeira música, que traz uma intro contagiante através do teclado (é notável como eles criam belas melodias no instrumento mesmo não tendo um tecladista oficial), carrega um forte refrão, algo comum entre as outras faixas. A segunda não fica por menos, uma demonstração que os guitarristas Dirk Sauer e Jens Ludwig (inspirado nos solos) continuam a todo vapor, com direito a talk box e back vocais típicos do rock oitentista. Característica que pode ser vista também na abertura do disco com Sabre & Torch, um metal de respeito com um breve momento “Metallica”. Edguy3Longe de ser um ponto fraco do disco, mas a música mais farofeira da banda, Love Tyger, está deslocada com o restante. Faria mais sentido se a banda resolvesse compor um álbum inteiro nessa pegada do glam metal, bem ao estilo de The Darkness, assim não prejudicaria tanto a identidade do trabalho. Entretanto, é bacana vê-los confortáveis para experimentar diversos sons, e fazem isso com competência, como ressuscitar o mega hit de Falco, o viciante rap/rock Rock Me Amadeus. Uma faixa que a banda regravou simplesmente porque podem fazer isso, deixando os fãs puristas loucos da vida. Se as músicas acima causam estranhamento no projeto, isso não pode se dizer da empolgante The Realms Of Baba Yaga e  da picante Do Me Like A Caveman (com um direito ao um simples arranjo no teclado que encaixa perfeitamente), faixas que caem como uma luva. Uma canção que deve agradar a gregos e troianos, é Shadow Eaters. Uma junção do velho e novo Edguy, mostrando a ótima química da banda, sempre guiados por Felix Bohnke (bateria) e Tobias Exxel (baixo). Space3 E como não poderia faltar, Alone In Myself é a linda balada do álbum, a única para alegria de quem prefere um som mais pesado, bem diferente do antecessor Age Of The Joker, que ainda é o meu favorito da banda. The Eternal Wayfarer fecha o álbum com maestria, mostrando a maturidade nos arranjos que a banda tem atualmente, pois as letras não diferem muito do que vinham apresentando. Space Police: Defenders Of The Crown é um álbum que traz o melhor do hard rock, para você não fazer feio em nenhuma festa com os amigos. E quem adquirir a versão com as b-sides, terá a chance de ouvir duas pérolas, a belíssima England (a melhor letra do CD) e uma bonita homenagem ao Def Leppard em Aychim In Hysteria, no melhor estilo da banda na época Hysteria. Edguy mostra que tem muita lenha para queimar, seja no espaço ou na Terra Média.   Tracklist: 01. Sabre & Torch
02. Space Police
03. Defenders Of The Crown
04. Love Tyger
05. The Realms Of Baba Yaga
06. Rock Me Amadeus
07. Do Me Like A Caveman
08. Shadow Eaters
09. Alone In Myself
10. The Eternal Wayfarer Otimo photo Otimo.png