Park Parece que foi ontem quando anunciou na TV o filme South Park: Bigger, Longer & Uncut, apresentando uma animação interessante, mas que na época achava bem tosca e estranha, até porque, aos 12 anos de idade, meu repertório para avaliar algo não era o bastante. Entretanto, assisti o filme e quase morri de tanto rir. Ali nasceu meu interesse por esta grande série que, criada pela dupla Trey Parker e Matt Stone, satiriza tudo e todos para a alegria de seu público. Park3Todos os personagens e eventos neste programa — mesmo aqueles baseados em pessoas reais — são inteiramente fictícios. Todas as vozes de celebridades são imitações… pobres. O programa a seguir contém linguagem chula e devido a seu conteúdo não deve ser visto por ninguém.” Com um aviso bem humorado, já somos instigados a entrar neste universo ao mesmo tempo cativante e caótico.  A história geralmente gira em torno de quatro crianças: Stan Marsh, Kyle Broflovski, Eric Cartman, e Kenny McCormick, acompanhados por uma variedade de personagens secundários que conseguem se destacar com suas participações. Usando um estilo de animação de recortes inspirado por Terry Gilliam no Monty Phyton’s Flying Circus, a dupla se mantém fiel ao seu estilo básico, fugindo do tradicional apenas no visual dos canadenses e das celebridades, aproveitando também episódios especiais para se divertir em outros traços. No Brasil, a série pode ser encontrada nos canais pagos VH1 e Comedy CentralPark1A amizade de Parker e Stone inspirou a criação de Stan e Kyle, duas crianças que funcionam como a voz da razão, trazendo belas mensagens de conscientização, principalmente quando os adultos estão em situações desesperadoras (e no mínimo surreais) por causa de suas atitudes egoístas e alarmantes. Do outro lado da moeda, Cartman funciona como um antagonista, expondo seus preconceitos e ofensas para quem não é necessário em seus interesses. E para representar a miséria financeira, Kenny, o eterno imortal que morre na maioria dos episódios, virando uma das melhores piadas da série.  Antes de assistir qualquer episódio de South Park, é bom saber que se trata de uma animação adulta. Não se engane com os rostinhos bonitinhos e os cenários coloridos, o roteiro é cheio de palavrões e cenas fortes contra indicados para um público mais sensível, podendo até ser taxado de apelativo e violento. Ainda bem que o programa é muito mais do que isso. Satiriza o modo de vida do norte-americano, seja ele conservador ou liberal, sem deixar de lado outros assuntos dos mais diversos. Mesmo que os EUA sejam o foco, as piadas se tornam universais, atingindo todas as pessoas que se comportam da maneira ali satirizado. Park2South Park é um lugar que você sempre será bem vindo, sem garantia que volte algum dia por causa de seu humor negro, um humor que expõe a pior face da sociedade para mostrar outro lado melhor através da razão e inocência das crianças. A sátira a favor de um mundo mais conscientizado de seus atos e vícios.