PanicoCecília Meireles já dizia que "a vida só é possível reinventada". Wes Craven soube disso ao ver o quão fraco estava o mercado de suspense na década de 90, foi então que, mais uma vez, em sua trajetória, marcaria uma geração de jovens através do suspense Pânico (Scream).
 
Escrito por Kevin Williamson, que posteriormente escreveu outro filme do gênero (Eu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado) e atualmente trabalha com produções adolescentes, Pânico foi um sucesso absurdo de crítica e público.
 
Era óbvia o quão bem sucedida poderia ser a mistura de filme adolescente com serial killers, tendo em vista os antigos sucessos do gênero. A forma proposta por Craven foi ainda mais inovadora.

 
Deixou de lado qualquer fantasia, e povoou a mente de todos com uma história palpável, e perturbadora a respeito de um maníaco que assassina suas vítimas após um jogo misterioso a respeito de filmes de terror pelo telefone. Uma delas, Sidney Prescott, consegue sair de um dos ataques, o que faz com que ela se torne o principal alvo daquele que usa uma faca e uma fantasia com máscara de fantasma (Ghostface) para matar.
 
Panico 2
A ligação entre a morte de sua mãe um ano antes, e os assassinatos que acontecem em Woodsboro, levam Sidney a caminhar cada vez mais para saber qual mistério se esconde por trás de tudo. Com cenas clássicas e exaustivamente parodiadas, o filme se tornou um clássico cult. Como muito filmes campeões em bilheterias, ganhou continuações desnecessárias e totalmente sem o clima do primeiro filme, embora esse gere em todos uma sensação de "quero-mais".
 
Devido a nova fórmula de sucesso, até hoje se encontram filmes que utilizam da mesma estrutura para tentar fisgar mais público. Tudo muito cansativo e previsível depois que um grande clássico se predomina. O que vale nesse tipo de bilheteria, é qual filme irá surpreender pelo novo.
 
Trailer: