Promessa do último post desta série, mais três filmes comentados para, enfim, encerrar com a terceira publicação da 21ª LocadoraRango Gore Verbinski deixou a franquia Piratas do Caribe para se dedicar a novos projetos. E o primeiro deles foi a animação Rango. Estreia da Industrial Light & Magic, divisão da Lucasfilm, no ramo. Mostrando seu poder para concorrer igualmente com as fortes DreamWorks e Pixar. Trabalhando mais uma vez com Johnny Depp no papel do camaleão Rango, Gore busca referências no velho oeste, principalmente na filmografia de Sergio Leone, para construir uma épica aventura de western. E consegue.  Além do impressionante visual, Rango traz uma história cheia de aventura, romance, humor, como um bom filme de entretenimento deve ter. Tudo num perfeito equilíbrio. Sabendo trabalhar muito bem seus personagens, resultando numa experiência interessante de se analisar o ato de atuar. Ainda bem que ele saiu para outros oceanos. Nota: Ótimo Mega Faz um bom tempo que tinha curiosidade sobre esse filme. Aproveitando a nova onda de anti-heróis cativando o público, a DreamWroks não perdeu tempo para garantir um bom dinheiro em seus cofres. Mas Megamente é muito mais do que uma oportunidade. Mesmo sendo bem voltado ao público infantil, o filme traz uma ótima inversão nas histórias de super-heróis. Neste caso, temos a trama contada pelo viés do vilão (Will Ferrell) e seus motivos por ter escolhido o lado do mal. O herói (Brad Pitt) em questão não passa de um sujeito com poderes, mas um metido que tirou a sorte grande. E ainda temos criticas bem construídas aos clichês do gênero. Parabéns a empresa que com os seus últimos filmes (Kung Fu Panda 2, por exemplo) mostra o amadurecimento adquirido com suas falhas. Nota: Ótimo Wall-e Não canso de falar para quem ainda aguenta ouvir: Wall-e é um dos filmes que eu levaria para o túmulo só para assistir em outra vida. Impecável. O diretor Andrew Stanton honrou o legado da Pixar (Toy Story 3) e com a lenda da sonoplastia Ben Burtt, criou um filme que, acima de tudo, fala sobre amor. Amor a vida. Não importando qual a situação em que ela se encontra. Referenciando Charlie Chaplin no carismático protagonista, além das homenagens a vários clássicos da ficção cientifica, Wall-e é um prato cheio para discussões sobre meio ambiente, os perigos do avanço descontrolado da tecnologia, a alienação através do consumo, entre outros subtemas. Uma verdadeira obra prima obrigatória para qualquer ser humano que esqueceu de seu bem mais precioso. A Terra. Nota: Foda