poster vicio.indd A linha que separa a genialidade da loucura deve ser realmente muito fina. Em pleno cenário de destruição pós-Katrina em New Orleans, tudo que a cidade não precisava é de um tenente como Terence McDonagh (Nicolas Cage) vivendo em seu limite dia após dia. Com problemas até seu pescoço como a água que inundou a cidade, Terence se vê numa situação em que as alucinações causadas pelas drogas já fazem parte de sua vida pertubada. Ou seja, de seu Vício Frenético. Werner Herzog realmente sabe o que faz. E nesse remake do filme de Abel Ferrara de 1992, temos uma abordagem do caos mais cômica, porém não deixa de ser ao mesmo tempo trágica. Os problemas não são poucos, o pai tentando largar a bebida, uma namorada prostituta viciada em cocaína, dívidas em jogo, a corregedoria na sua cola, além de outros fatores, Terence convive com  terríveis dores nas costas. Para seu alívio toma os remédios que o médico receitou e muita droga também. De cocaína a crack. 004 Apesar disso, Terence precisa fazer o seu trabalho e como tenente da polícia é encarregado de investigar um massacre de uma família senegales envolvida no tráfico do bairro. Porém a investigação torna a sua vida um inferno e os seus problemas vão a cada atitude se tornando caminhos incertos. Nesse momento do filme é que somos pegos pela total loucura do tenente que acaba se concretizando em genialidade. Ou em pura sorte. Genial mesmo, além de Herzog dirigir competentemente cada cena, é Nicolas Cage. Como o furacão Katrina que destruiu New Orleans, Cage destrói em sua atuação. Não consigo lembrar qual teria sido o último filme que assisti com o ator tão inspirado. Talvez Adaptação ou o Senhor das Armas. Em Vício Frenético, podemos conferir uma entrega total ao papel. Um Cage surtado, drogado e perdido, mas sabe muito bem as saídas dessa bola de neve em que se envolveu. Um caos imposto pelo meio em que se passa a história. O meio em que define o personagem. 002 Terence McDonagh pode até causar certa repulsa pela sua falta de moralidade e ética, mas cativa com o passar do filme por sua ironia. E como a Magnum que o tenente faz questão de destacar para mostrar seu poder e sua autoridade, Herzog destaca os mais cruéis defeitos do ser humano e nos vicia com sua droga. E é da boa. Vício Frenético – Bad Lieutenant: Port of Call New Orleans
EUA , 2009 – 121 min Direção:
Werner Herzog Roteiro:
William Finkelstein Elenco:
Nicolas Cage, Eva Mendes, Val Kilmer, Xzibit, Fairuza Balk, Brad Dourif Nota: 9