25 anos de carreira. Mais de 120 milhões de discos vendidos. Com o último trabalho,"Lost Highway", conseguiram voltar ao primeiro lugar de vendas nos EUA. Algo comum para bandas que se destacam no início ( na sua grande maioria com a ajuda das gravadoras), mas depois de tanto tempo, é algo para se pensar. Sem sombra de dúvida, Bon Jovi é uma das bandas de rock mais importantes da história da música norte-americana. A cada álbum, hits que agitam estádios e embalam os corações dos apaixonados. E em 2009, lançam seu 11° trabalho de estúdio: "The Circle".

 

Devido a crise mundial, a banda entrou em uma fase criativa que acabou resultando num álbum inédito. 12 músicas muito bem trabalhadas, com letras que retratam problemas atuais. Destacando obviamente a crise dos norte-americanos. Além da ótima composição realizada por Jon Bon Jovi, Richie Sambora e amigos, temos também a volta de maior destaque para o tecladista David Bryan e o baterista Tico Torres. Os dois que ficaram esquecidos nos últimos álbuns. Destaque maior para Tico e Richie que foram geniais na maioria das músicas.

Para quem não conhece a banda, pode estranhar quando ouvir todos os cds. A cada novo trabalho, um som diferente. Sempre no rock, porém acompanhando a sua época. A tendência. E agora mostram como se faz um som moderno com qualidade mais uma vez. Porém muito acima do que andaram lançando. Lembrando muito a linha de bandas como U2, The Killers e um pouco de Coldplay, "The Circle" tem a marca inconfundível da banda: melodias marcantes e refrãos memoráveis.
Agora vou comentar sobre o mais importante: as músicas. "We Weren’t Born To Follow", primeiro single, abre o álbum com uma ótima levada de guitarra e um refrão contagiante que deve ficar muito melhor ao vivo. E o começo de sua letra já nos mostra para quem é direcionado o novo cd:
"Esta vai para os que procuram por milagres
Esta vai para os necessitados
Esta vai para o pecador e o cínico
Isto não é sobre pedir perdão"

"When We Were Beautiful" é uma linda canção. É interessante de como você ouve uma música. Se for no computador é uma impressão com aquelas caixinhas de som, mas se for num som potente com saídas para vários canais a história é outra. O som da batida forte de Tico irá tremer sua casa, a guitarra distorcida de Richie irá trincar os vidros, o teclado melancólico de Bryan irá te transportar para outro lugar e Jon te faz lembrar para aonde estamos indo nesse mundo quebrado.

"Work For The Working Man" é a música mais política de "The Circle". Fala sobre o desemprego no país das oportunidades. O som lembra muito "Living on a Prayer", porém só lembra. A marcação da bateria nos remete a batida de um martelo. Uma das melhores músicas do cd, tem força própria para virar clássico. Igualmente a belíssima "Superman Tonight" que te faz lembrar as inesquecíveis baladas dos anos 90:
 

"Quem irá te salvar quando caírem as estrelas do seu céu?

Quem irá te puxar quando a maré estiver alta?
Quem irá te abraçar quando apagarem as luzes?
Eu não irei mentir
Eu imagino que
Eu posso ser o seu Super-Homem a noite"

Chegou o momento de comentar a mais pesada das 12 faixas: "Bullet". Vindo da família de músicas como "Damned" e "Keep The Faith", discursa sobre a violência numa sociedade dominada pelo dinheiro. Destaque pelo violento solo e o refrão que te já faz pensar quanto tempo ainda temos de vida até que uma bala nos atinja.
"Thorn In My Side" é uma ótima música sobre o que esses garotos acima dos 40 anos ainda podem mostrar. Você irá viajar no solo e o refrão irá grudar na sua boca como chiclete. "Live Before You Die" tem um ótimo trabalho de David Bryan e conta a história de pessoas importantes que passaram na vida de um homem e lhe ensinaram que o mais importante de tudo é viver (melhor que qualquer novela do Manoel Carlos).

"Brokenpromiseland" é feita totalmente para shows. Para entrar e já ir levando milhares de pessoas à loucura. Parece uma música esquecida dos álbuns antigos. Com certeza irá agradar os fãs mais saudosistas. Uma de minhas preferidas. "Love’s The Only Rule" tem uma introdução Dance que depois se envolve com uma pulsante bateria (melhor desempenho do Tico) e acaba se transformando na canção mais elaborada do álbum, é a nova farofa do século 21:
"Eu não dou a mínima para como deveria ser
Talvez funcione para você, não funciona para mim
Você escreve a sua verdade e eu escreverei a minha
O telhado de um homem é o céu de outro homem"

"Fast Cars" é a mais difícil de se acostumar até por seu começo morno e chato. Parece um peixe fora da água, mas com o tempo você acaba percebendo que é uma boa canção. Repleta de metáforas acompanhadas por uma ótima linha de teclado, o refrão é o ponto alto com seus sha la sha las. Depois de 8 anos de governo Bush, não poderia faltar o atual momento de esperança do povo que ronda o presidente Obama. E com um felling fora do normal, somos apresentados a esse sentimento na forte "Happy Now":
"Posso ser feliz agora?
Posso, de alguma forma, ser livre?
Eu só quero viver de novo
Amar de novo
Levantar o meu orgulho do chão"

"Learn To Love" é a música para fechar o álbum com chave de ouro. Uma balada repleta de sentimento com um refrão que encerra a mensagem da banda para todas as pessoas:
"Halle, halle, estamos a um suspiro de distância
Halle, halle, do dia em que seremos julgados
Você deixa tudo sobre a mesa
Mesmo que se perca ou ganhe
É preciso aprender a amar o mundo em que se vive"

Enquanto não aprendermos a amar, Bon Jovi nos mostra um caminho melhor através de sua música.
 

Otimo photo Otimo.png