Apaixonante.

 

Se há uma palavra que possa descrever o que significa o novo filme de Darren Aronofsky esta é, como o golpe final do Carneiro, definitiva. Vencedor do Leão de Ouro em Veneza, Darren já pode ser considerado um dos meus diretores favoritos por sua genialidade em retratar histórias. Assistir O Lutador é uma verdadeira aula de cinema e de vida.

 

Grande astro dos anos 80, Mickey Rourke incorpora Randy “The Ram” Robinson. Na verdade, nem era preciso. Ator e papel se fundem numa experiência única de atuação. Randy, como gosta de ser chamado, sobrevive, depois de 20 anos de seu auge, de pequenas lutas. Por isso o dinheiro é pouco, o público também, mas a admiração que a nova geração de lutadores tem por ele é muita. Naquele ambiente nostálgico, Randy é um ídolo. Um ícone. Um exemplo. Porém quando o assunto é a vida longe do seu mundo, o quadro muda totalmente; e o que faz resistir todos os problemas é estar encima do ringue lutando.

 

 

Logo após um luta difícil, Randy sofre um infarto. E seu mundo cai. Não podendo mais fazer o que ama por causa de um problema cardíaco, começa uma nova vida. Investe num relacionamento complicado com a stripper Cassidy (Marisa Tomei) que sempre o orienta nos momentos complicados e se reaproxima de sua filha Stephanie (a belíssima Evan Rachel Wood). Mas com as porradas em sua nova vida, percebe realmente o que lhe faz feliz: lutar. Mesmo que isso signifique enfrentar a própria morte.

 

A interpretação de Rourke é divina. As suas lutas são impactantes. Quem for muito sensível, não aguentará tamanha é a realidade das cenas. Em certos momentos, aquele sangue não faz parte da magia do cinema. Faz parte do ator. E envolvidas por uma trilha sonora de respeito, realizada mais uma vez por Clint Mansell (Fonte da Vida), é para deixar qualquer fã de Hair Metal sorrindo de orelha a orelha. E balançando muito a cabeça. Como Cassidy diz: “Os anos 90 foram uma droga“.

 

As surras que levamos em nossas vidas podem ser superadas quando encontramos nosso verdadeiro caminho. Não importa os ossos quebrados, a idade, ou o quanto a vida te machuca. O que importa é não desistir de seus sonhos, o que importa é nunca parar de lutar.

 

“Essas coisas que me confortam, eu levo para longe
Neste lugar que é o meu lar eu não posso ficar
Minha única fé está nos ossos quebrados e nos machucados que eu exponho
Você já viu um homem com uma perna só tentando dançar o seu caminho livre?
Se você já viu um homem com uma perna só, então você me viu.”

 

Trecho da música The Wrestler – Bruce Springsteen
(Vencedora do Globo de Ouro de melhor canção original)

 

 

Trailer: